domingo, 26 de junho de 2011

”SE EU QUISER FALAR COM DEUS...”.



O relato da criação do homem da forma como está registrado no livro de Genesis, o primeiro livro da bíblia, sempre me encantou. Cheguei ao ponto de acreditar piamente que teria sido assim mesmo. Isso é outra história. No seminário de teologia, descobri que Moisés escreveu o livro de Gêneses no mínimo 2.500 anos depois que os fatos da criação registrados por ele tinham acontecido. Dois mil e quinhentos anos. Isso mesmo que você leu!. Da criação até ao dilúvio (seguindo a cronologia bíblica) passaram 2 mil anos. Moisés é um pós diluviano, descendente de Levi, filho de Jacó, que era filho de Abrão e nascera no ano 1593 a.C. Me custa crer que o relato de Moisés sobre a criação, escrito há dois milênios e meio depois da ocorrência dos fatos, possa ser a ultima palavra sobre a origem do homem contudo, não quero discutir isso aqui. Quero discutir a parte que me encanta. Diz o relato de Moisés que Deus esculpiu um boneco de barro. Depois de pronto lá estava sua obra: linda porém, sem vida como o Moisés de Miguelangelo. Nesse momento, Deus teria soprado nas narinas do boneco de barro o fôlego da vida: “e o homem foi feito alma vivente”. Assim, por esse relato, o homem (alma vivente) é um resultado da junção do barro com o ar que saiu dos pulmões de Deus. Aí está a parte da história que me encanta. Para ser alma vivente, cada ser tem que ter DENTRO DE SI uma parte divina. No Hebraico esse sopro divino é chamado Ruach. No Grego Pneuma (ar). Ruach aparece algumas vezes no Antigo Testamento traduzido por espírito. Posto assim, o homem não é espírito ao contrario, o homem possui um espírito. O homem é Nefesh (alma vivente). Logo, é a junção de barro com espírito que resulta em homem. Viajei muito na imaginação com a idéia deliciosa de ter uma parte de Deus dentro de mim. No Novo Testamento Jesus ratificou a questão da presença divina no interior do homem varias vezes e de diversas formas: “o corpo é o templo do Espírito Santo”; O Reino de Deus está dentro de vós” e “ Espírito Santo que em vós habita...”.  Etc.



As Escrituras Védicas, particularmente o Baghavad Gita, têm um outro registro sobre a criação do homem: o senhor Brahma foi quem criou todos os seres de todas as espécies. Nos Vedas também a presença de Deus no interior de todos os seres é apresentada e amplamente discutida. Na Escritura Védica, muito embora não se descreva o aparecimento do corpo da forma que a bíblia o faz é aceito, de igual modo, como sendo (o corpo) apenas um invólucro onde se acomoda a Jiva. A Jiva é análoga ao Ruach (espírito) . A Jiva, é de origem divina. É a presença divina no ser, entretanto nos vedas aparece uma outra presença: O Paramatma. O Paramatma seria equivalente ao Espírito Santo. Enquanto a Jiva é a presença divina que garante a individuação do sujeito ao mesmo tempo é a fonte de energia vital que faz viver o corpo e preserva todas as memórias. O Paramatma é uma presença real de Deus (Krsna), que se instala de forma real no coração (no órgão) de cada ser vivente. A Jiva sou eu é você assim como é qualquer manifestação de vida. A Jiva assim como o Ruach, é imortal porquanto é divino e, é onde todas as memórias relacionadas ao sujeito se eternizam. O Paramatma é a presença guardiã à qual o sujeito pode recorrer, se desejar, para abreviar seu processo de crescimento e avanço em direção a semelhança com o Criador. Segundo os Vedas Deus está criando seres perfeitos para a felicidade eterna. Veja bem! Está criando. Isso quer dizer que meu atual momento de existência está dentro desse momento de criação. Eu (e todos) estamos sendo criados para sermos eternamente felizes. Esse processo tem a minha (do ser) participação. As escolhas que eu faço poderão abreviar ou retardar o ponto de chegada. Cada um em seu ritmo; cada um em sua fase ou nível; cada qual do seu jeito, todos estamos indo para o mesmo lugar: a perfeição. Se existe um atalho? Sim as Escrituras Védicas mostram um atalho: Intimidade com o Paramatma ou se preferir, intimidade com o Espírito Santo. 


Acho tudo isso muito lindo. Mas, e se nós realmente (como querem outros) somos frutos da grande sopa evolutiva e evoluímos a partir de materiais orgânicos que progrediram e se combinaram por milhões de anos e daí surgiu a vida e, é dessa vida que todos viemos? É uma possibilidade. Entretanto, há que se verificar que todos os teóricos e cientistas após dissecar a vida e retroagir até o momento da sopa evolutiva esbarram num fragmento de energia que permitiu e/ou possibilitou que a combinação orgânica se manifestasse como vida. Que fragmento de energia é esse? É certo que ainda há muita coisa a se descobrir sobre nossa origem e destino. Isso me faz ser cauteloso antes de tomar qualquer partido dogmático como sendo a ultima palavra. Não obstante toda cutela que se requer sobre esse tema tão importante acerca de nossa origem e pra onde vamos, há uma unanimidade no sentido de que todos os seres estão evoluindo, superando desafios e rumando para a perfeição. Nesse caso sou da opinião de que, como não faz mal e é de graça, porque não contar com a ajuda do Paramatma para abreviar e/ou suavizar a caminhada? Uma coisa posso garantir fica mais suave sim. Gosto da idéia de que se eu quiser falar com Deus Ele esta bem pertinho: dentro de mim e de você, no meu e do seu coração. Tente!
Próxima postagem vou trazer uma dica para conseguir essa intimidade!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O DIA QUE ENFRENTEI DEUS (Jan de 1995)


 Ei Deus estou aqui! Espero estar sendo visto, ouvido e lido. Não é mole não viu? Aqui a coisa ta feia. Dizem que um filho Seu (Jesus) esteve aqui, mas, já faz muito tempo. Tem aqui um livro falando da passagem dEle por aqui. Sei não viu? O livro é bom. Tem umas historias bonitas, as quais, segundo dizem, foram contadas pelo Seu menino (Jesus) quando andou por aqui. Depois tem lá uns discursos instrutivos que teriam sido proferido por Jesus. Veja bem Deus! Não é querendo duvidar não! Longe de mim. Sei que Ele pode ter falado mesmo, a questão, pelo menos pra mim, é outra: é que em um desses discursos tem uma frase cuja autoria é atribuída ao próprio Jesus que diz: “NÃO VOS PREOCUPEIS PELO DIA MANHÔ, e há uma outra propagando: “Pedi e dar-se-vos-a; batei e abrir-se-vos-a e buscai e achareis.” Deus, se me permite indagar: Jesus falou isso mesmo? Se falou, falou em Seu nome mesmo? É isso mesmo que Ele queria dizer? Sabe por que é que estou perguntando? É que não tem funcionado assim com essa facilidade como está escrito não. Olhe que tem é gente de joelho pedindo coisa por aqui viu Deus!? E mais, é gente que precisa mesmo! Tem gente doente, gente com fome, gente sem teto, gente com medo e todos sem saber, mas querendo saber exatamente COMO vai ser o dia de amanha por que hoje a vaca já foi pro brejo. O que mais se vê por aqui é gente PEDINDO e BATENDO nas portas de gente, na porta de Sua casa (igrejas) e BUSCANDO aquilo que precisam pra aliviar seus medos e suas fomes. Escute bem o que estou dizendo Deus: o povo ta ficando aperreado. A coisa ta feia porque não está funcionando conforme foi prometido (posso estar enganado). O que é mais lamentável ainda é que os Seus representantes pioram ainda mais a situação dos miseráveis dizendo: vocês não conseguem o que precisam porque não pedem com fé. Tem que ter fé esbravejam os Seus sacerdotes e pastores. O diabo é isso (desculpa ai é modo de dizer) quero dizer: Se é assim danou-se! Veja que a culpa ainda é do miserável. Muitos desistem por ai. Sabendo que não tem a tal da fé que é a chave então, o melhor que fazem, é esperar dolorosamente o tempo se arrastar pra ver o DIA DE AMANHA chegar. E quado chega, é muitas vezes (digo com sinceridade),  bem pior do que o dia anterior. Estou Lhe dizendo: a coisa aqui não tá boa não. Bem, tem alguns que são mais determinados e não desistem logo: preferem mudar o pedido. Descobriram que precisam ter fé e não tendo, passam a PEDIR e BUSCAR a ferramenta que falta: A fé. PEDEM, PEDEM, PEDEM e nada! Continuam sem fé, e se sem fé não adianta PEDIR, BATER ou BUCAR: o sujeito ta ferrado. Daí, ele corre pro Seu representante (o pastor), e diz: homem eu estou desesperado: descobri que não tenho fé e estou prá mais de mês pedindo a Deus que me dê fé e não recebo nadinha! O que é que eu faço agora? A resposta do pastor vem ligeira: peça com fé meu irmão. Entendeu ai onde é que esta o nó? Essa fé ai tenho não! Vim aqui pra Lhe dizer isso. Estou dizendo, sem fé. Pois eu não tenho mesmo. Escute bem Deus! estou falando sem misansenio, sem falsidade ou outra frescura que seja. O fato é esse: estou aqui sem fé mas, querendo ter fé. Alias Deus, fé é coisa que se pessa? Ou é coisa que se tem de ter sob pena de não poder receber nada do que PEDIR? E mais, pode-se pedir fé sem ter fé? Se puder qual a chance de receber? Ou ainda, se pra pedir fé e conseguir tem que pedir com fé, logo eu já teria a fé e, nesse caso, não carecia mais estar buscando, concorda comigo Deus? Quer saber? acho melhor o Senhor esclarecer esse negocio bem direitinho Tim-Tim-por-Tim-Tim, do contrario isso aqui vai continuar um mangue. O sofrimento é grande demais Deus. O povo é bom, mas ta muito sofrido. Vamos ajeitar isso aqui. É um lugar bom de se viver. Olhe, eu mesmo vivo num medo terrível de não conseguir que as coisas funcionem bem pro futuro: ora é o dinheiro que vai acabando; ora é o emprego ameaçado; ora é a saúde enfim são tantos medos e, entre eles o medo de perder o que já se conseguiu e ter que viver na miseria. Outros tem medo de não sair da pobreza. Tem uns caras ai que tem o maior vidão: carro importado, casa bonita, saúde, filhos bonitos e educados entretanto, também ficam com medo de perder tudo aquilo. Como é que vamos arrumar isso? Eu quero ajudar. Afinal eu estou no meio desse bolo. Pra isso precisa resolver logo meu problema: Quero ter fé e não tenho fé pra pedir.Ah! tenha fé! Às vezes fico pensando: será que o Senhor esqueceu-se dagente aqui nesse mundinho? Se, se esqueceu é bom se lembrar.Não está tudo perdido não! ainda tem umas coisas boas e bonitas de se ver. Chega pra cá vamos fazer uns ajustes!.Atenda meu pedidozinho! Quero crer. Só isso! mas, o ponto de onde estou é exatamente um ponto de quem não crê mas precisa crer por isso estou, embora não sendo capaz de crer, pedindo que o Senhor me dê a crença. Observe Deus, que meu pedido apesar de um tanto tosco é, no meu entender, bem miudinho: quero ter fé somente o suficiente pra crer que não preciso me preocupar com o dia de amanha e com essa crença relaxar hoje , não deixar escapar a eternidade do momento e a beleza de estar aqui como se fosse para sempre. Entendeu ai Deus?

sábado, 18 de junho de 2011

SINCRONICIDADE E LEI DA ATRAÇÃO



Uma pessoa que ouviu uma palestra minha sobre viver um dia de cada vez sem se entregar a grandes preocupações sobre o futuro, me abordou com a seguinte questão: Como posso conciliar sua pregação sobre essa forma de viver relaxadamente sem esperar nada e a tão divulgada e apreciada Lei da Atração que depende do empenho do desejo? Ou você não acredita no poder da Lei da Atração?
Em segundo lugar precisamos arrumar um pouco a confusão que as pessoas bem intencionadas e mal avisadas estão encontrando ao se deparar com a Lei da Atração amplamente divulgada em filmes, livros e textos na Internet. Desde a chegada do filme “O Segredo” que muitas pessoas renovaram as esperanças de conquistar coisas e situações para, logo depois (uma boa maioria), caírem frustradas por não conseguirem nada do que tentaram atrair. Em geral, depois de uma decepção assim, o sujeito não volta ao ponto de onde estava, ao contrario, volta para um ponto inferior ao que estava antes: fica mais frágil, mais descrente, mais cético e mais pré-disposto ao fracasso.
Voltando à pergunta do meu interlocutor, minha pregação (aprendida com mestres como Krsna, Jesus e Osho) realmente é sobre uma forma serena de viver: sem carregar o peso do passado e sobretudo com absoluta liberdade em relação ao futuro, quero dizer: sem temer nada, sem antecipar nada, sem esperar nada. Olhando apressadamente para essa proposta aparentemente “alienante” parece mesmo que não se pode conciliar esse conceito com a Lei da Atração porquanto, essa tem como ferramenta para atrair alguma coisa, exatamente a energia do desejo. Quem deseja espera por algo num futuro próximo ou não mas, espera.
Se a Lei da atração é um fato, porque é que a grande maioria não consegue os resultados desejados?! É simples! Essa grande maioria não entendeu o processo em sua completude. O desejo que é capaz de atrair o objeto desejado carece de estar limpo de todo ruído, precisa estar completamente despoluído de dúvidas, carece de ser gerado por um coração puro que se auto conhece e uma mente forte o suficiente para não vacilar. Melhor dizendo: O sujeito precisa saber exatamente quem é e muito claramente do que precisa para ser feliz. Minha pregação é para quem ainda não está nesta fase. É para aquele que ainda carece de saber quem realmente é, de onde veio e o que está fazendo aqui. Ou ainda para aquele que ainda não sabe se o que ele quer ou pensa que quer vai trazer o resultado que de fato está buscando. Estou ensinando a conquista da inocência, através dos conceitos passados pelos mestres aos quais me reporto. Krsna, em seu espetacular discurso feito a cinco mil anos para Arjuna na ocasião da batalha de Kuruksetra, ensinava: “Pratique a vida devocional sem se preocupar com os resultados”. Essa capacidade de confiar na existência, de permitir que os eventos e objetos necessários para plenitude da vida e da felicidade serão providenciados de forma espontânea, é a inocência e pureza de coração de que estou falando aqui. Na prática funciona assim: Consideremos que um sujeito entra em um processo de entrega absoluta e adquire essa inocência. Automaticamente suas necessidades reduzem consideravelmente. Esse sujeito para de se comparar com outros e passa a desfrutar muito mais intensamente do que tem e possui: da respiração, dos sabores de coisas simples etc. Ele quer ser feliz e aceita que a existência (chame de Deus se quiser) é muito mais sabia do que ele e saberá muito melhor do que ele realmente precisa para ser feliz. A existência sabe o sujeito não. Estou considerando que nosso sujeito aceita isso. Nesse caso ele não vai desejar um carro,ou uma casa,ou uma companhia, ou uma viajem. Não.! Esse sujeito vai esperar a felicidade e a existência irá providenciar os meios e objetos para que essa felicidade seja possível. Então, nosso sujeito, de posse deste grau de inocência está apto para usar a Lei da Atração. Entretanto, sabiamente vai atrair a felicidade. A felicidade ESPECIFICA para este sujeito virá com o pacote completo de situações e objetos que serão necessários para esse sujeito.
Sim, existe plena conciliação entre a Lei da Atração e a vida de entrega e confiança ensinada pelos mestres antigos.
Você pode duvidar!
Experimente e julgue por você mesmo.

Onildo!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

MILAGRES PARA EMERGENCIA: COMIGO FUNCIONA MUITO BEM!



O medo é paralisante. Sem nenhuma exceção todos temos medo. A diferença aparece na forma que cada um lida com essa emoção (energia). O medo é o oposto do amor. Com freqüência somos levados a aceitar apressadamente que o ódio é o oposto do amor. A vida sempre foi muito competitiva. Talvez seja mais apropriado dizer que é quase impossível viver sem competir. Desde a disputa entre os trezentos milhões de espermatozóides por um único óvulo a competitividade segue por toda existência. Nascer é um milagre e  também a primeira vitoria. No dia-a-dia nos esbarramos muitas vezes com situações paralisantes: medo de não conseguir, medo de perder, medo dos fantasmas do passado, medo do futuro, medo de não ser o melhor ou de ser o pior, medo do inferno ou de perder o céu, medo do diabo, medo de deus. Às vezes temos a impressão de que na atualidade a competição é maior. É um engano pensar assim. A necessidade de competir para sobreviver sempre existiu. Atualmente com a globalização e a comunicação fartamente facilitada através da televisão e das redes sociais aliados ao grande crescimento populacional, é de se esperar que avoluma o contato das massas com mais e mais desejos: ter mais, possuir mais, viajar mais, saber mais, comer mais e assim a grande maioria cai nessa armadilha. O medo aniquila o amor. Por exemplo: o ciúme doentio é filho do medo de perder. E esse medo de perder com freqüência destrói o amor. O amor também aniquila o medo. Aliás, só amor é mais forte do que o medo. Uma pessoa em estado de graça e dona de abundante amor nada teme. O amor aceita. Observe que na trajetória da sua existência pouca ou pouquíssimas situações definitivas em sua vida dependeram de sua vontade. Ainda que para nascer houve a vitoria de uma semente sobre as demais você não interferiu nisso conscientemente. Concorda?! Para viver seus primeiros dias meses e anos dependeu absolutamente de outras vontades nunca da sua própria. Sempre teve uma força invisível completamente alheia e a revelia de sua vontade tomando as providencias por você. Agora você se acha um ser consciente e quer tomar as rédeas de sua vida: quer dirigir, escolher, dominar. Olhe para traz em sua trajetória o mais honestamente possível e veja o quanto de sua vida dependeu mesmo de você e de suas escolhas. Vai ficar surpreso com a quantidade de situações que você não escolheu ou não escolheria. Sugiro que veja nessas lembranças pessoas que você conheceu sem nenhum planejamento seu e que fizeram grande diferença em sua vida; viagens inesperadas; empregos novos; perdas ou ganhos que vieram sem sua interferência. Há quem chame tecnicamente esses arranjos de Sincronicidade. Não pretendo discutir isso. Meu desejo aqui é: primeiro convidá-lo a uma reflexão e propor que seja mais leve com  você., que seja menos sério menos responsável pelos rumos e caminhos do amanhã. Convido a desfrutar o momento com maior serenidade. “A ‘natureza’ encontrará o caminho”. Em segundo lugar desejo partilhar um segredinho que dá muito certo comigo nas horas que a burrice chega vestida de medo, calçando as sandálias  a insegurança, portando o cajado do falso ego e a bandeira da depressão: repita esse mantra -  Hare Krsna Hare Krsna – Krsna Krsna Hare Hare – Hare Rama Hare Rama – Rama Rama Hare Hare  - 108 vezes. Ao final você reencontrará o seu eixo novamente e a lucidez chegará a galope. Tente!  -  Onildo

quinta-feira, 9 de junho de 2011

UNIVERSO PARALELO - UM MILAGRE CHAMADO MEG


Meg, foi um presente de aniversário. Ela sempre abria um belo sorriso quando me referia a ela como ‘meu presente de 34 anos.

Era Março de 1993 quando procurei uma livraria de livros usados (sebo) na cidade de Salvador na Bahia para comprar um presente para mim mesmo. Era o mês de meu aniversário. Eu queria algo muito especial e mentalizei que seria um presente bem diferente, inusitado, especial e marcante. Algo me conduziu àquela livraria e havia um sentimento insistente de que eu deveria comprar um livro sobre a maçonaria. Imaginei que naquela loja eu poderia, alem de encontrar o livro que desejava, ver muitas obras interessantes até porque minha tarde estava livre e planejava ficar ali por um bom tempo.

Livraria Brandão, era o nome do enorme casarão com imensas estantes cobertas de livros antigos, novos, empilhados, jogados e arrumados de diversas maneiras diferentes. Fiquei pasmo com a quantidade de volumes e apesar de se ter alguma organização pareceu-me difícil encontrar um livro específico no meio daquele mar de tinta, papel e letras.

A sensação era agradável, o cheiro de papel velho e a simpatia das pessoas davam ao ambiente um toque de saber e intelectualidade tal, que de certa forma, me senti orgulhoso de estar ali imerso em tanta informação. Comecei a andar por entre as prateleiras, olhando sem nenhuma preocupação de escolher o tema que as plaquetas escrita com pincel e fixadas acima da altura da cabeça indicavam como assunto das obras de cada corredor.

Em um daqueles corredores encontrei a obra completa de Pietro Ubaldi. Dez mil páginas em 24 volumes! fiquei encantado, folheei todos eles, decidi levar a Grande Síntese inicialmente e propus ao atendente que levaria um volume por mês até completar a coleção e assim fiz. Contudo, não foi esse o grande presente que me dei naquele dia. Em um corredor estreito e com altas prateleiras, sentei-me em um tamborete de madeira, próprio para o cliente olhar os livros com mais conforto ali mesmo, ao lado das estantes. Meus olhos foram direto à um livro grosso misturado à centenas de outros que me chamou a atenção: UNIVERSO PARALELO. Peguei o livro rapidamente, comecei a folhear e, fazendo uma leitura dinâmica logo descobri que falava de projeção astral ou experiência fora do corpo. Era um assunto novo pra mim apesar de que eu já desconfiava da possibilidade de existir alguma literatura sobre o tema , nunca havia visto nada.

Passei cerca de duas horas ali mesmo, lendo aquele livro. O autor  Kurt Budberg, se dizia monge Brâmane e discípulo de Melquizedeque, um controvertido personagem bíblico do antigo testamento.

Em sua essência o livro propunha técnicas para sair do corpo de forma consciente. Apesar de serem técnicas muito difíceis que alem de exigir um rigoroso treinamento e propunha total abstinência sexual, fiquei muito impressionado com o fato de ter encontrado um material sobre o assunto. Resolvi comprar o livro imediatamente. Chamei o simpático atendente e pedi pra incluir o livro às minhas compras. O rapaz se aproximou para pegar o livro com o largo sorriso de sempre e perguntou: -  você gosta desse assunto? Vai ter um curso de projeciologia no dia 26 de Março com o pessoal do IIP, quer um folder?
-Claro!  respondi meio surpreso.
Foi até uma mesa abarrotada de livros e papéis e logo voltou com o folder.
-É do pessoal do Dr. Waldo Vieira conhece ? perguntou  demonstrando bastante familiaridade com o assunto e com o tal Dr. Waldo Vieira.
- Não, eu não conheço. Respondi
- É do Instituto Internacional de Projeciologia (IIP) disse.
Fiquei um tanto acanhado com minha ignorância sobre um assunto que já tem até um instituto, assim mesmo questionei: -Você já fez esse curso?
-Não, mas conheço pessoas que fizeram no Rio de Janeiro e gostaram muito
-Ok,  estarei lá no dia 26 com certeza. Afirmei.
Alguns dias depois fui para o curso, dividido em 3 módulos. Aquele do dia 26, seria o primeiro módulo. Apreciei bastante, especialmente o tom quase cientifico que a professora usava para abordar um tema tão místico, misterioso e etéreo. Fiquei surpreso com a quantidade de pessoas interessadas no assunto e falei com várias que já se diziam projetores conscientes a um bom tempo.

Entusiasmado comprei todos os livros que estavam disponíveis na banca do curso e mergulhei de cabeça para aprender as técnicas que eram bem mais simples do que as de Kurt, e não exigia nenhum sacrifício ou compromisso dogmático.

Cinco dias depois do meu primeiro contato direto com as técnicas projetivas, seria meu aniversário o dia 31 de Março. Eu continuava empolgado, mal esperava chegar em casa pra começar as práticas na esperança de ter uma experiência fora do corpo durante a noite.

Estava bastante ansioso e isso, segundo a professora, poderia atrapalhar e retardar os resultados. Eu queria muito e na noite, véspera de meu aniversario, fiz todas as praticas e fui dormir com um enorme desejo de ter minha primeira experiência. A despeito do esforço e da vontade, dormi pesado a noite inteira e acordei por volta de quatro horas da manhã do dia 31 de Marco. Fiquei frustrado. Na verdade fiquei muito triste mesmo. Levantei-me fui ate à cozinha, tomei um pouco de água e resolvi recostar-me no sofá da sala.

Coloquei duas almofadas, recostei-me numa posição quase sentado e fechei os olhos pra tirar um cochilo.

Escutei, atrás de mim, uma voz feminina, em tom grave e com sotaque que parecia castelhano:
 - E aí está se divertindo?
Virei-me e fiquei pasmo. De repente eu estava em uma duna de areias alvíssimas, afagado por uma brisa suave e fresca. O cheiro vindo do lado esquerdo anunciava que o mar estava bem próximo. O dia estava chegando. Os primeiros raios já se mostravam timidamente na linha do horizonte lá no fim do mar. Ela estava parada em minha frente com um sorriso alvo e largo como aquelas dunas. Repetiu a pergunta :
 - Está se divertindo? Eu sou Meg.  Que lugar lindo heim?!
-É, respondi timidamente! eu sou Onildo e sorri meneando a cabeça.
-Eu sei, respondeu com mais um sorriso.
-Sabe? Como? Indaguei curioso?
-Vou ajudar você. Afirmou com uma expressão de bondade. Você está na sua primeira aventura semi- consciente, fora de seu corpo.
-Você acabou de deixar seu corpo lá no sofá, lembra?
-Meu Deus! Então é verdade? E como é isso estou sonhando? Ou morri?

Aproximou-se carinhosamente, colocou a mão sobre meu ombro direito e sempre sorridente disse:
-Fique calmo , você não morreu está mais ou menos sonhando. Você vai demorar algum tempo pra lembrar-se de hoje, mas esse é um belo dia em sua vida. O presente marcante que você mentalizou foi conquistado pela sua persistente vontade .
-Meg, quem é você?
-Sou como você. Eu também estou fora do corpo. Afastou-se cerca de dois passos como que para que eu pudesse vê-la melhor.
-Talvez eu tenha um pouco mais experiência do que você e por isso resolvi ajudá-lo. É só isso. Acrescentou.

Era uma mulher morena, bem morena meio azulada, tipo jaboticaba. Cabelos longos e pesados caiam sobres os largos ombros. Os olhos negros e espertos eram coberto por espessas e bem desenhadas sobrancelhas. Enormes cílios moviam-se inquietos dando a impressão de que os olhos falavam. Aparentava uma altura próximo à um metro e setenta e devia pesar 68 quilos o que fazia dela uma mulher bem torneada  e muito bonita. A pele perfeita e os lábios sempre úmidos e carnudos davam ao rosto moldurado pelos cabelos negros e pesados um ar jovial quase juvenil. Devia ter trinta anos não mais.

As mãos enormes e os dedos harmônicos se moviam enquanto falava, pareciam reger o ambiente a sua frente. Seu olhar, embora fosse sereno, parecia esconder uma certa austeridade e passava muita segurança.

-Venha! Pegou a minha mão e disse: vamos conhecer um lugar.
Senti um impacto como que se meu corpo tivesse chocado com uma barreira invisível mas, passei por ela . Essa foi a sensação.
-Chegamos , disse.
Era um enorme vale e uma campina de um verde exuberante deitava-se à nossa frente e estendia-se até as montanhas, azuladas pela distancia. Estávamos em um lugar muito alto e perguntei :
- Onde estamos?
-Isto é um zigurate, mas, temos que ir agora, venha!
-Você voltará aqui em outro momento. Piscou um olho e sorriu. Em seguida pegou minha mão e de novo senti aquele impacto e voltamos para as dunas de onde saímos anteriormente.

Ela parecia ser de origem inca, talvez peruana , ou indiana pelo amendoado dos olhos.
-Meg de onde é você?
 -Você vai saber. Respondeu rapidamente e parecia estar tensa mas, mantinha o sorriso.
-Temos que ir. Disse.
-Olhe, eu vou estar sempre perto de você. Eu escolhi estar com você. Não tenha medo. Nunca! Tem muita agitação pela frente mas, quando tudo passar você vai ver que não esteve só.
Me abraçou forte e falou baixinho em meus ouvidos:
-Estou com você, não tenha medo nunca. O cheiro suave e natural de jasmim que senti naquele abraço permaneceu em meu corpo quando voltei ao sofá da sala onde dormia.

Esta é Meg e foi assim que a conheci no dia de meu aniversario. Mais tarde passei a chamá-la de meu presente e ela sempre discordava dizendo:
-Você é seu grande presente e você vai descobrir e reconhecer seu poder interior.

Desde este primeiro encontro Meg passou a fazer parte de minha vida. Nunca ousei comentar com alguém porque era muito estranho uma amizade cujo cenário era sempre um mundo onírico. Era muito confortante ter sempre seus conselhos e pontos de vista equilibrados nas mais difíceis situações que sucederam aquele aniversário de 1993.

PERGUNTE! Haverá sempre uma resposta!

É fácil brincar de ser feliz quando tudo está bem: boa saúde, conta bancaria de bom tamanho, segurança e ainda amando e sendo amado. Essa não é a realidade da grande maioria. Em geral falta um ou mais desses itens para muitos e faltam todos para uma quantidade ainda maior de pessoas. E ai como é possível experimentar O MILAGRE sem ter a rara sorte  estar tudo bem?

sábado, 4 de junho de 2011

RECEITA DOS MESTRES PARA A SERENIDADE E ILUMINAÇÃO

Embora as religões direcionem seus apelos e suas pregações pra ensinar aos seus seguidores um meio para ESCAPAR DO INFERNO  ou  CONQUISTAR O CÉU em um futuro incerto, em geral seus fundadores tinham outro objetivo em mente: Falavam da iluminação ou seja, como conquistar a plena lucidez, a sabedoria absoluta, o conhecimento e a posse do segredo que traria a felicidade para o momento presente e a paz ao aqui e agora.

Buda ensinou o Caminho Octuplo:
1- Compreensão correta  2 - Pensamento Correto  3  - Fala Correta  4 - Ação Correta  5  - Meio de Vida        Correto  6 -  Esforço Correto  7 -  Atenção Correta   8 - Concentração Correta


Cristo ensinou:
"Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e Sua Justiça e todas as outras coisas vos serão acrescentadas"

Krsna ensinou:
Cante o Maha Mantra  Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare   Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare.

Certamente cada um desses poderosos ensinamentos funciona muito bem. Particularmente, após experimentar todos demoradamente, encontrei no MAHA MANTRA HARE KRSNA uma forma rápida, prática e muito eficiente para limpar a mente e trazer a serenidade quase que instantaneamente. Quer experimentar? Cante Hare Krsna e seja feliz! - Onildo